terça-feira, 24 de abril de 2012

ai ai essas noites turbulentas ...


Sonhei. Tive um pesadelo. Criei um filme enquanto dormia. Aconteceu que ao chegar à escola tive o pressentimento de que algo iria acontecer. Passeávamos, eu e minha amiga Izabela, pelo pátio da escola antes de o sinal tocar, quando uma multidão se aproximava como uma vassoura varrendo e agrupando. Gritavam assustadoramente. Tiros se ouviram. Corremos com a multidão. Escondemos-nos na cantina. O barulho parou. Uma sombra na parede surgiu. Um homem de máscara se aproximou. Ele tirou a máscara. Ele conversou comigo. Sabia que tinha tido o pressentimento. Um professor. Disse o porquê de estar realizando aquela barbárie. Ele recolocou a máscara e deu um tiro em meu braço. Fingi ter desmaiado enquanto continha a dor. Izabella fez o mesmo. Ele seguiu. Corremos e nos escondemos no banheiro onde sombras nos amedrontavam. Em algum momento, me separei de Izabela. No outro dia, fiquei sabendo que minha pobre amiga havi sido assassinada pelo bandido. Viajei com medo a um lugar longínquo, fugindo do perverso professor... Acordo! E o final? Que noite agoniada!