terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Canto de gratidão pelo tempo

Eu calculo que nesses cabelos emaranhados; nessa boca cansada de profanar por acidente aquilo que presa; nesses olhos enfadados de produzir expressões que embelezam e desprezam muitas vezes; nessa testa marcada por tudo que já se passou desde acidentes a epidemias impetuosas frustradas pela estação seguinte; diante de tudo que essa face já demonstrou e tudo pelo qual esses cabelos se esvoaçaram, digo: "valeu demais, valeu o tempo e o contratempo que essa história traz".