quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Fortalezas

Por que nos enganamos, se a morte mal nos pode esperar? Mas fazemos mil planos de borracha, esquecendo dos poucos graus que eles aguentam. Não que viver em pleno desprendimento não seja um desvario, mas só há algo mais (e único) em que pôr o tesouro é sadio.