segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Até que não haja mais fôlego que expresse

Cecília Meireles
Motivo

"Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei.
Não sei se fico ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada."

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Lápide

Num dia como esses em que tudo muda, quis que fosse verdade. Pegou os velhos trapos de lembrança e os lavou com fantasia. Correspondia aos requisitos. Mensurável. Até que não foi mais tão previsível. E permaneceu, ignorando um pessimismo latente. "Não tão fácil", e o pulo da janela do vigésimo fatídico andar foi um adeus necessário mascarado de possibilidade - ou vice-versa. Machadada na fratura exposta. Foi diferente desta vez. Sonho brilhante pareceu mais melancólico. Já se findaram as expectativas? Já não permanecem as variedades? Acomodou-se.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Reconhecimento

Eu dou graças às expressões, aos rostos franzidos, aos rostos serenos que puseram algo mais profundo no trono do pensamento. Eu dou graças à música, aos momentos em que foi suficiente para empurrar um sorriso pra fora das gengivas. Graças às esperanças, aos rompantes de paciência que produziram experiência. Eu dou graças pelas gotinhas de chuva que eu ajudei a alcançarem a linha de chegada; pelos raios de sol que embelezaram meus cabelos; pela manhã mansa. Eu finalmente dou graças pelo começo, pelo ponto final - que ainda não chegou -, e pela jornada, que vai fazer de mim o que serei.

domingo, 16 de novembro de 2014

BarlowGirl - Open Heavens (abrir céus)

Pelas emoções mais antigas da História e pelas criações mais originais do coração

HEN HEM… QUE COISA MAIS LINDA! [Trecho]

Dá impressão que o mundo
Tá na hora do recreio
Que o ping-pong da vida
Esqueceu o desenfreio
Que deu sossego na terra
Que Saddam véio de guerra
Acabou com o tiroteio.

Eu nela me esparadrapo
Mercúrio e cromo no amor
Ganho um beijo assaborado
Calmoso e alegrador
E vou me desvermelhando
Feito um pijama secando
Morrido no quarador.

JESSIER QUIRINO

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Sanctus Real - Head In The Fight (cabeça na luta)

Por um amor menos problemático!

Por menos cobrança!
Por menos esperança (das vãs)!
Por menos pressão!
Por mais coração!

Por mais ternura!
Por combinar mais!
Por orar mais!
Por menos coração (tolo!)!

Controverso? Nem quis. Eu torço pelo troco desse cálculo: pessoas interessadas em iguais a elas - se frustram.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Memento lucem

Lembra-te da luz. A escuridão te rodeia, mas não te compõe; te circunda, mas não te toca; te persegue, mas não te alcança. Lembra-te do Criador. Aquele que um dia te pôs na luz, mas para louvor dEle. Lembra-te da luz, lembra-te dEle.

Pó de vida e de doação

Eu escrevi uma carta à terra uma vez. Não ao planeta: ao pó. Eu quis que soubesse o quanto cada substância é importante. Não é incrível quando alguém é agradecido? Disse à terra que somos férteis, somos grandes, somos pisados. Disse que pusemos o que viria por nosso intermédio antes de nós mesmos. Disse que seguiria seu exemplo: mesmo que as pessoas não queiram me curtir, eu farei de tudo para que curtam o que tenho a oferecer.

sábado, 4 de outubro de 2014

Não só por dizer

DE BEICINHO ABICUDADO

Quando digo que te amo
Não digo de badalada
Nem de voz de chaminé
Digo de vento falado
De beicinho abicudado
Como que sopra café.

Jessier Quirino

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Lecrae - Give In (Desisto)

Perdoe-me se estiver errada

As pessoas pensam tanto no Diabo e têm medo dele pelo fato de não quererem pensar em Deus! Se pensarmos no grande perdão imerecido, nos preocuparíamos muito mais em agradar a Deus do que em temer o Diabo.

Paraplégicos

Ela se levantou com um sorriso. E eu percebi que sorria porque as maçãs pularam como crianças. Então, andou em direção à nuvem mais próxima, mas não a alcançou - surpreendentemente! E eu esqueci seu sorriso no banco em que sentei. Ela voltou para mim e perguntou quando voaria de novo e eu não sabia o que responder porque só tinha água nos olhos e vento nos ouvidos. Meneava a cabeça para a janela como se desse uma bronca nela. E eu prometi que, se a janela voltasse a se comportar mal, eu a levaria para longe. Passamos tanto tempo procurando o sorriso dela que acabei perdendo o meu também.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Esperança

As coisas se endireitam. O futuro vem. O passado sempre volta, nem que seja só em forma de lembrança. As coisas se bagunçam. Coisas ruins acontecem. Coisas boas acontecem. Pessoas que fazem coisas ruins recebem o que merecem. Ilusões duram pouco. As coisas se endireitam.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Como vai o "órgão muscular oco, que bombeia o sangue de forma que circule no corpo"?

Ainda sangra. Ainda pulsa. Ainda acelera por razões tolas. Ainda resiste. E, sem que haja razão explícita, ainda dança.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Leeland - Lift Your Eyes Up (levante os olhos)

Pelo fato de bastar

Basta olhar pra esses teus cabelos adornados por estrelas, admirá-los; basta sentir o aroma dessas cadeiras ao sentarmos; basta contemplar por acidente essa nuvem que é o teu vestido; basta lembrar que os nós dessas tuas palavras são menos doloridos de desatar que os dos teus cabelos, embora eu saiba que nunca me permites tocá-los quando estão revoltosos; basta pensar no movimento de tuas sobrancelhas ao conversar, rir, pensar, ou tentar me decifrar; basta ouvir o teu balbuciar; e eu já sinto uma necessidade enorme de apontar o brilho do sol para ti, mesmo sabendo que não necessitas dele, não é verdade?

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Perdoe a fatalidade característica

Todos precisamos de estímulo. Então, se algo nos impulsiona, nos desafia, nos encoraja, que seja valorizado! Eu andei pensando no pôr-do-sol, nas nuvens - como sempre - e percebi que somos empurrados. Sim, digo, somos empurrados todos os dias pelos nossos compromissos, pelas vontades. Talvez quem não tenha razão para viver mereça, melhor, aceite com facilidade morrer. A morte tem seus dedos alongados sobre pessoas sem rumo, pessoas com rumos sem perspectiva. Como somos espuma-de-onda, melhor que façamos com que valha a pena a viagem até a areia.

sábado, 2 de agosto de 2014

A velha lenga-lenga que prende a prosa no ciclo

O afago doce dessa blusa desgastada faz lembrar como as coisas novas são menos confortáveis.

Eu fugi de tudo. Eu quis pôr um remendo, fingindo que havia aceitado. Um coração partido que se nega a sentir dor. E uma música suave põe um nó tão gigantesco no caminho das minhas refeições que a solução é vazar água pelos olhos.
Eu fingi tudo. Quis me convencer de que era apenas diversão e, assim, não me atrapalhava em atar, coser de volta o que restou dos sentimentos. Pois é, só quis.
E agora, só resta aguardar uma absolvição que temo não vir.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

João Alexandre - Nas estrelas

"Nas estrelas, vejo a Sua mão e, no vento, eu ouço a Sua voz. Deus domina sobre terra e mar. O que Ele é pra mim?
Eu sei o sentido do Natal, pois, na história, tem o seu lugar. Cristo veio para nos salvar, mas o que Ele é pra mim?
Até que um dia o Seu amor senti; Sua imensa graça eu recebi; descobri que Deus não vive longe lá no céu, sem se importar comigo. Mas agora ao meu lado está. Cada dia eu sinto o seu cuidar, ajudando-me a caminhar. Tudo Ele é pra mim."

terça-feira, 22 de julho de 2014

Swoope - Actions Speak Louder Than Words (ações falam mais alto que palavras)

Humano

E, mais uma vez, estamos nós aqui, face a face, mas ignorando um ao outro. Somos desses destinados a saberem um do outro. Somos desses cercados por pessoas que torcem por nós, mesmo que não façamos o mesmo. Mas é incrível como essa prosa me persegue! Esse teu rosto só ganha mais graça. Graça aos meus olhos. E eu cansei de ouvir dizerem que é lindo nos ver juntos. Pena que eu estou tão cansada de esperar notares isso. Pena que eu desisti de me preocupar com tudo isso há tanto tempo que te surpreenderias se soubesses. Pena que esta prosa já não conta a tua história.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

terça-feira, 1 de julho de 2014

DC Talk - My Friend (meu amigo)

Satisfação sonora

O som sai tão livre, tão ávido. E tão lindo. Canta e esconde o medo. As sombras correm ao te ouvir. Gosta de se ver cantar; aprecia como balbucia, faz mais lento. Sorri para o reflexo ambulante enquanto finge um clipe. E a voz é mesmo linda. Entra e equilibra; movimenta e equilibra de novo. Diverte-se com estilos dos mais diversos, embora seja apaixonada pelo alcance. E a treina. Sua maior fã. Segunda maior.

Esses versos embaraçosos que dá vontade de expor (masoquismo?)

Não pense que sou assim com todos.
Sou de Lua,
Do mundo da Lua.
Não pense que vou com todos.
Sou movimento de lamento,
De pensamento.
Não pense que sou feliz com todos.
Felicidade é esse mito, alarido.
Sou apenas um grito.
Não pense que me decifra.
Sou furacão sem precedente.
Nem tudo que demonstra sente.
Nem pense.
Nem sou.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Switchfoot - Who We Are (quem somos)

Dia nublado nosso de cada dia

Hoje amanheceu ensolarado. Foi o sol me ver que se escondeu. Parece mesmo que dá mais vontade de fechar os olhos quando o céu fica claro-de-nuvem, que é o que acontece quando o sol desaprende a se esconder e acaba mostrando que está lá. Nenhum pontinho azul. E frio, meu amigo, muito frio-de-vento, que é quando o vento dos pólos se perde brincando com as ondas e me encontra bem longe de casa. Além disso, nada de azul. E sem azul fica cinza. Só faz lembrar que meu dia de sol queimou e virou cinza.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Ofra Haza - Jerusalém de Ouro

"Pra ver no sol que nada sou sem Tua luz"


We're awakening ♪

Estamos acordando! E a escuridão da noite já não nos assombra. Estamos acordando. Permanecemos até o fim e o dia raiou para nós. Estamos. Acordamos. Estamos prontos para sonhar.

O apocalipse do ciclo da prosa

Descobri que tenho uma sina! Os romances na minha vida são um ciclo. Sem que eu quisesse, eu me acostumei. Comecei a até preferir que o ciclo me prendesse a mim mesma, sem que pudesse me transformar. Então, amei o ciclo. Mas quero querer que seja amor da próxima vez; que seja definível, definitivo. Que seja fixo, mas que me surpreenda sempre. Que seja uma nave espacial. Que seja para voltar juntos, para ter para quem voltar. Finalmente, quero querer que seja inevitavelmente, visivelmente amor, e permanentemente. Nada de ciclos.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Falta-nos um perdão do tamanho de nós mesmos

Eu acompanhei a mudança, meu bem. Eu vi as coisas serem estragadas e, por causa de nossa desunião, muito do que éramos não somos mais. Precisamos muitas vezes ser esbofeteados pela verdade e tantas chances já nos foram dadas que duvido sermos dignos de mais. Mas eu não acho que nos perdemos. Só tropeçamos e pisamos fora da trilha. Há volta. Pode confiar.

terça-feira, 8 de abril de 2014

sábado, 22 de março de 2014

segunda-feira, 3 de março de 2014

Balanço

Eu gostaria de fazer um resumo das coisas que foram pregadas na minha memória no 16º Encontro para a Consciência Cristã, em Campina Grande, Paraíba. Considere que pode ser que eu tenha esquecido alguma coisa.

- Se Deus é justo, Ele não pode justificar você! Este é o propósito da cruz. Justiça exige morte. Como Deus pode ser justo, se Ele tem prazer na misericórdia? Ele pode nos perdoar porque pegou nossos pecados e os pôs sob Seus pés, através da transposição da Sua ira sobre Seu próprio filho. Porque Deus tomou os nossos pecados e toda ira dEle foi derramada sobre Seu filho.
- Deus nos justificou sem que déssemos uma razão para que Ele fizesse isso.
- Jesus não é tudo do que precisamos. Ele é tudo o que temos!
- Na cruz, Cristo não sofreu a ira de satanás, mas a de Deus.
- Existem dois tipos de religião: as que dizem que o mérito por chegarem ao Céu é delas e o verdadeiro cristianismo, que põe o mérito sobre outro: Cristo.
- Deus ama todas as pessoas, mas isso não o impede de as condenar ao inferno.
- TODO tipo de amor exagerado a algo ou alguém pode ser considerado idolatria.
- Chega a ser óbvio, estudando as falidas teorias da origem dos seres, que os "cientistas" que imprimem suas ideologias em livros didáticos têm uma frustração em relação a Deus que os impede de ver a verdade.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

"Cabelo meu"

Teu volume me chateia, mas me define. Tua graça me encanta, mas é fugaz. És fase. És louco. Tua cor me inspira. O modo como não te defines me intriga. E amo-te cada vez mais. Parece bobo, mas alguns não têm o relacionamento que nós temos.

A saga da prosa

E essas pessoas que se deixam enganar, hein? Descobriram tudo!
Mas e essa despreocupação com a própria aparência? Mais do que conveniente!
E esses olhares covardes? Mais que divertidos!
Mas e essa reflexão constante? Cansativa!
E esses casais que não se suportam? Há mistério.
Mas e essa regeneração? Necessária.
E esse sonho esvoaçante? Inalcançável.
Mas e toda essa prosa que volta a não ter rumo? Sou eu.

Amor

"De fato, em vez de criar problemas teológicos, a Trindade realmente resolve problemas teológicos. Ela nos ajuda a entender, por exemplo, de que maneira o amor existe desde toda a eternidade. O NT diz que Deus é amor (1Jo 4.16). Mas de que maneira o amor pode existir em um ser monoteísta rígido? Não existe mais ninguém para amar! A tri-unidade da Divindade resolve o problema. Além do mais, para existir amor, é preciso haver aquele que ama (o Pai), e o amado (o Filho) e um espírito de amor (o Espírito Santo). Devido a essa natureza trina e una, Deus existe eternamente numa perfeita comunhão de amor. Ele é um ser perfeito que não carece de nada, nem mesmo de amor. Uma vez que ele não carece de nada, Deus não precisaria criar seres humanos por nenhum motivo (ele não estava sozinho, como alguns pregadores têm dito). Simplesmente optou por nos criar, e nos ama de acordo com sua natureza amorosa. De fato, seu amor é a razão pela qual ele enviou seu Filho — a segunda pessoa da Trindade — para receber a punição por nossos pecados. Sua justiça infinita nos condena, mas seu amor infinito salva aqueles que desejam ser salvos. "

Fragmento do livro Não tenho fé suficiente para ser ateu, de Norman Geisler e Frank Turek, traduzido por Emison Justino, página 261

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

João Alexandre - Mensageiro

Nesses caminhos que a gente não prevê

Paramos de viver ao nascer! Chocante! A primeira reação é a negação - e não exite em fazê-lo -, mas, se não quiser, não há motivo para ler. Enfim, a epifania é a seguinte: a primeira frase deste post e o seu desdobramento, ou seja, agonizamos enquanto pensamos que vivemos. Quando nosso corpo desiste de agonizar e pára - o que chamamos de morte - é que finalmente vivemos. Mas chega a ser digno de revolta: "pois morra, ou viva". Releve, leitor, este meu mórbido pensamento. "E com que intenção foi concebido?", indago como num estalo. Acho que para nos mostrar que estamos de passagem e o que de bom temos aqui não se compara à vida que teremos quando passarmos a viver.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Os Pés-Grandes

Bom, aconteceu o imprevisto: eu desenhei! É uma série chamada Os Pés-Grandes. Por que? Porque eu os desenhei com os cabelinhos revoltados e logo me veio à memória o mito. Então, aí está o resultado:






sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

João Alexandre - Coração de Pedra (trecho)

"Que vença, mesmo que haja desavença, todo aquele que repensa na crença da onipresença de Deus. Sejamos coerentes, transparentes, reluzentes, conscientes, todos crentes que somos os filhos Seus. Na rua, no trabalho, na escola, na loja, na padaria, no posto, na rodovia, na congregação. Que haja em nós o mesmo sentimento! Que Deus habite em nosso coração!"

Lacey Mosley no Cube do Livro do Skillet

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Segredos dos olhos

Dias quentes e suas peripécias

Era um dia quente na parada de ônibus. Todos calados, como de costume. De repente, essa moça aparece e pergunta, alvoroçada, a que horas passa o ônibus. Mas não a mim. Não, não a mim, mas a uma outra moça. Num impulso impetuoso, já nem sinto o sol nesse canto exposto e me incluo na conversa. Ofereço-me para levá-la. Que bom é te observar, querida, enquanto andas impaciente. Teus compromissos te fazem dançar ao celular. Tua falta de serenidade e, ao mesmo tempo, teu sorriso angustiado me põem em determinação curiosa. Nossa carruagem logo chega e vais na frente, entras primeiro. Passando da catraca, procuro-te até que te vejo sentada a devorar tua garrafa vermelha febril. "Só uma piscadinha!", penso, logo faço. E me sento. Nas carreiras de tua impaciência, corres para sair e nem percebes que aquilo que eu queria era pôr teus lindos olhos nos meus novamente.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Brooke Fraser - C.S. Lewis Song (canção de C.S. Lewis)

Sim mesmo!

Faz tudo isso de tempo? Nesse instante, eu era uma menina magrela mais alta que as outras meninas da sala. A escola me embruteceu ou só fez com que emergisse a brutalidade intrínseca? Difícil dizer, mas faz esse tempo todo mesmo que eu já não confio nas palavras? Ou a ingenuidade é uma dádiva? Mas eu cresci, colegas, contra a minha vontade.

João Alexandre - Feirante

"Arruma a cangalha na cacunda que a rapadura é doce, mas não é mole, não. E jenipapo no balaio pesa. Anda, aperta o passo pra chegar ligeiro. Farinha boa se molhar não presta. Olha lá na curva a chuva no lajedo.
Quem foi que te disse que a vida é um mar de rosas? Rosas têm espinhos e pedras no caminho. Daqui até à cidade é pra mais de tantas léguas. Firma o passo, segue em frente, que essa luta não tem trégua. Fica na beira da estrada quem o fardo não carrega. A granel felicidade não custeia o lavrador. Vamos embora que a jornada é muito longa e não há mais tempo de chorar por mais ninguém. Lá na feira a gente compra, a gente vende, a gente pede, até barganha aquilo que comprou. E te prometo que depois, no fim de tudo, na Quitanda da Esperança, eu te compro um sonho de açúcar mascavo embrulhado num papel de seda azul [Só] Pra te consolar ôh"

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Anoitecer de casal

Vamos escurecer, querido? Vamos deixar que as estrelas nos pontilhem? Vamos permitir que a temperatura vá baixando ao sereno? E só ouvir o barulho dos grilos? E só ver o nosso reflexo da Lua na água? Vamos banhar a relva com uma lágrima cada folha? Vamos acalentar as crianças sem que percebam? E ventar, esfriar, pairar, contemplar, até nunca mais amanhecer.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Exalando arte

 O problema da confusão que fazemos com nossas vidas. Não percebemos que, muitas vezes, falta tão pouco.
Desenho de ociosidade. Imaginem poesia. Rostos de geometria e brisa.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Meio-dia

Meus dedos estão virando mães estéreis de poesia. Já não me encanta surpreender. Eu escrevo menos, mas olho para cima mais. Para cima mesmo, digo, o céu e a composição ao redor. Sorriso bobo e já transformo meu dia. O apoio para a cabeça do ônibus me acomoda. A mochila me aquece. O vento me sublima. E eu já não estou mais ali. O fim da linha é a integração. E o recomeço é o próximo ônibus que não vai ser o mesmo. Mas nem eu.

Munique

Ele nem se deu o trabalho de fingir que era um bom rapaz. Só um elogio e umas risadas já te fizeram pensar nele mais do que em si. E nem é bonito. O que ele é é esperto! Quase não dá para notar, mas está ali. Bem ali! Repare bem no discurso pouco pretensioso, muitas palavras, muitas piadas, depreciação de si mesmo sem pena de si mesmo, sorriso estampado e um último ingrediente: o elogio. Pronto! Aí está! E tu sais com um sorriso no rosto como quem encontrou o príncipe da tua vida, mas sabes que ele não é o ideal. Mesmo assim, pensas nele. Ele descobriu! Descobriu tudo! Mas está só, mesmo rodeado de pessoas, porque não deixa que se aproximem e que o mudem.

domingo, 19 de janeiro de 2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Meio chapéu não protege ninguém

Sinto pena de você achar que é a pessoa que queria ser.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Lucas 21.36

"Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e de estar em pé diante do Filho do homem."

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

João Alexandre - Teus Mandamentos

Muitos aspectos

 Olhe só pra si! Olhe para tudo isso e para nós. E não somos nada, não é mesmo? Não diga que eu não avisei. Eu tomei um café hoje e me senti tão feliz. (risos) Um café! Dá pra imaginar o quanto eu sou ingênua? A minha voz não é muito diferente das outras. Perde-se entre as buzinas dos corações. Essas maquiagens, rebocos para velhas casas com estruturas pouco confiáveis. Essas crianças... Meu Deus, as crianças! Quanta doçura, quanta leveza. E os idosos, meu Pai! Quanta saudade, quanta realidade. Mas eu não sei a que ponto queria chegar com todos esses assuntos sem muita conexão, a não ser que você queira ver. Então, sorrio, porque é vaidade. Tudo é vaidade! E a gente ainda se preocupa.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Não gosta de ceticismo? Está ficando difícil acompanhar este blog

"Algumas pessoas se apaixonam pelo que podem suportar nas outras". Concluiu, mas não quis generalizar. Perguntou-me muitas vezes numa semana se realmente o que chamamos de amor, digo, quando alguém nutre um sentimento romântico por outra pessoa, é mesmo amor, porque percebeu que o processo era: achar alguém atraente e começar a cogitar uma aproximação. Daí, surgir a análise das coisas "boas" e "ruins" no outro e pesá-los se seria capaz de conviver com eles. Então, que é o amor? Sentimento arrebatador, inevitável, irreprimível? "Nem um animal", pensou, sarcástico. Mas eu não sei, colega. Nem desejo saber. De que adianta? Só vai nos esfriar ainda mais. Nós, que somos cubos de gelo nesse imenso copo com limonada. Por que não guarda tuas resoluções para quando tiveres um blog? Pelo menos, ninguém vai pensar que não tens sentimentos e ainda podes usar terceira pessoa do singular para não te expores.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Newsboys - That Home (aquele lar)




"Havia um lar na cidade onde as crianças quebradas, achadas e perdidas viriam de quilômetros de distância só para ver o que o amor era. Porque mamãe tinha um jeito de fazer as coisas darem certo.
Ela cozinhava a nossa refeição favorita, sentava e ouvia o que sentimos. Oh, como a dor era real. Quantas famílias que o diabo roubaria. Mamãe tinha um jeito de fazer as coisas darem certo.
Naquele lar, sabíamos que estávamos seguros para sermos jovens o suficiente para sonhar, para encontrarmos a fé para crer. E, naquele lar, o amor não tinha fim. Foi lá que nós aprendemos a perdoar: naquele lar.
Mamãe sempre teve a música ligada. Às vezes, alta, às vezes, suave. Quando perguntei sobre sua canção favorita, ela abriu a Bíblia no livro de Salmos. Ela sempre dava um jeito de falar sobre a graça.
E, naquele dia, eu recebi a notícia de que essa estadia  de mamãe aqui estava quase no fim. Fiquei a noite toda ao lado dela, segurei sua mão, olhei em seus olhos e disse: Mamãe, quando você estiver no Lar, eu sei que você estará segura. Forte o suficiente para ver a fé que você acredita. Naquele Lar, a vida não terá fim. Eu sei que vou te ver de novo naquele Lar."

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Pule esse!

Todo mundo é feio por dentro! Vamos parar com essa hipocrisia de "ai, como vocês são superficiais"! Vamos tentar usar a sinceridade que - creio - é intrínseca para que sejamos menos enganados. Desabafo concluído com sucesso.